quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Fio de seda... Beco sem saída...



Noite escura. Becos sem saída. 
Sede de vida sem endereço 
solta nos berros de beirar loucuras.

Rastros de serpente na areia quente 
denunciavam uma vontade náufraga revirando 
o colo em brasas num mar de lembranças.

Esperança mantida o tempo 
de uma noite bem fodida, logo
diluída no suco da manhã. 

Já não havia questão, mto menos
 ilusão de encontrar a cura. 
Noite escura. Becos sem saída. 

Com boas doses de loucura 
saiu à procura de quem não fizesse 
perguntas para suas tantas respostas...